quarta-feira, 21 de março de 2012

Pai,

A mãe de manhã ligou-me e perguntou-me porque não te liguei no dia do pai. Disse que estavas triste!
 Se tu soubesses o quanto me lembrei de ti naquele dia, o tempo que estive com o telemóvel a pensar realmente em ligar-te, mas não consegui, não tive coragem... E agora sinto-me tão mal por isto. Porque és meu pai, porque eu amo-te como tal e tu feriste tanto o meu coração. A ferida que ainda mora lá no meu coração está tão presente que eu não consigo agir sem pensar nela. Sei bem que eu nunca te disse que tinha aquela ferida mas tu nunca a devias ter feito, entendes? NUNCA! 
Nós nunca tivémos uma relação assim tão afectuosa, apesar de quando chegares a casa a primeira coisa que perguntavas era por mim mas antes de vir para a universidade eu não sabia muito bem o quanto era bom e me aquecia o coração, o simples beijo do pai. Tu mal me ligavas, mal falavas decentemente comigo, no dia do pai ou quando fazias anos quando te dava uma prenda tu ignoravas e eu desisti de o fazer para não sofrer tanto, para me sentir eu culpada de não te dar nada, e agora hoje não sei... Percebi que ficaste triste por não ter ligado, e estou de rastos por isso. Porque eu posso dizer que te amo, que és muito especial para mim, mas isso não apagará a minha ferida grande. Por mais que agora podes ter mudado as tuas atitudes comigo, desde que vim para a universidade, tu não remendaste o teu erro para que eu me possa sentir bem e feliz. Tu não sabes que aquilo que me fizeste me ia levando ao precipicio, não sabes (Nem eu sei,foram tantas!) quantas vezes as minhas lágrimas caíram por isto, quantas vezes tive tanta raiva de ti que só me apetecia gritar
Sabes às vezes digo que o mano F. é mais meu pai que tu, não o devia dizer, eu bem sei que não, mas ele ocupou o teu lugar no tempo em que tu não me ligavas nenhuma, ele que me protegia, era ele que me levantava a cabeça quando eu precisava.
Consigo sentir-me de rastos de novo, porque agora sei que tive culpa, devia ter ligado, nem que fosse para dizer "Olá pai", foi tão fácil dizê-lo para outras pessoas... Mas eu não o consegui.  Sinto uma angústia tão forte!

3 comentários:

teardrop disse...

Eu percebo-te... Durante algum tempo tive uma relação complicada com o meu pai. Por mais que eu fizesse, por mais que fosse a menina perfeita, nunca tive aquilo que precisava de sentir/ouvir. Quando me formei e comecei a trabalhar, tudo mudou e hoje sei que gostamos muito um do outro e que o conseguimos expressar. A ferida continua cá, mas está quase sarada... Espero que contigo aconteça o mesmo e consigas ir a tempo de recuperar o amor de pai, que é tão valioso!
Beijinhos

Any =D disse...

Deixaste-me com lágrimas nos olhos!

Força minha querida :)

Maria Inês Rodrigues disse...

Oláá! Gostei muito do teu blog, do teu design e da maneira como te expressas. Gostava muito que passasses pelo meu e deixasses a tua opinião. Se gostasses e seguisses era óptimo. Beijinhos e resto de boa semana.
voltar-ao-inicio.blogspot.pt